Testado por uma especialista em si mesma

Lisi, amiga e grande conhecedora de cremes hidratantes, testou o da marca orgânica brasileira Souvie

Este é o texto 1 da seção Testado por uma especialista em si mesma. Vai funcionar assim: quando um produto parecer relevante ao Calma, vai à prova. De que jeito? Sendo usado por 28 dias. “Que tempão, por que tanto?” Porque, em média, é o que a pele leva para se regenerar. 

“Assim vocês nunca vão dar conta de todos os lançamentos.” Justamente.

De onde virão os produtos? Das prateleiras dos supermercados e/ou farmácias e/ou freeshops e também das marcas que se interessarem em enviá-los. Em todos os casos, a procedência vai estar indicada no final do texto.

Mas, afinal, o que é uma especialista em si mesma? Alguém que, como você, já usou muito cosmético na vida e os avalia com um critério decisivo: o próprio gosto. Ela vai contar um pouco do seu perfil de consumidora no início do texto para termos uma ideia de com quem estamos falando.

Então vamos lá. A primeira especialista é a minha amiga Lisi.

Ela usou a Loção Hidratante Corporal da Souvie, uma marca brasileira. É orgânica, certificada pela Ecocert e sem perfume. Custa R$ 107, à venda no site da marca.

O relato da Lisi sobre a experiência:

QUEM SOU EU QUANDO O ASSUNTO É CREME HIDRATANTE

Adoro, amo, amoro usar hidratantes, óleos, sabonetes corporais, esfoliantes e a parafernália toda desde sempre. Já usei muito Victoria’s Secret pelo cheirinho, mas a adolescência passou e hoje prezo mais pelos efeitos do que pelo perfume — também não gosto da ideia da fragrância competir com o meu próprio perfume ou grudar nas roupas. Há três anos venho me preocupando em consumir produtos menos tóxicos e agressivos.

PRIMEIRA IMPRESSÃO

De cara, já é diferente do vasto cardápio de perfumarias do bairro e freeshops mundo afora, com frascos coloridos para a gente abrir a tampa e escolher pelo cheiro. Este não tem cheiro! Isso me obrigou a ler os selos de certificação, pesquisá-los na internet e concluir que a coisa é séria. Pareceu uma opção segura para o que eu buscava.

SEGUNDA IMPRESSÃO

Comecei a usar no meio do verão, quando já estava bem quente, depois do banho da manhã. Conforme o prometido, nada de cheiro. A loção é bem densa, grossinha mesmo, não é pa-pum de espalhar. Vi que, para funcionar, precisava estar com a pele seca, sem pingos de água e me dedicar a fazê-la penetrar. Apesar de darem uma preguicinha (único contra do produto), esses minutos de massagem me deram impressão de usar algo que ia hidratar de verdade

TERCEIRA IMPRESSÃO

Depois de absorvido, adeus. Esqueci o creme — no bom sentido. A pele ficou mesmo hidratada o dia todo, sem qualquer ressecamento. E o hidratante não aparece de surpresa depois de uma suada de verão. O inverno ainda não chegou, mas deduzo que vai rolar superbem em temperaturas mais amenas.

IMPRESSÃO FINAL

Se o objetivo for hidratação sem perfume, ganha nota dez com estrelinha.

SÓ MAIS UMA COISINHA

Na embalagem tem a palavra “gestante” escrita em letras enormes. Sei que esse é um dos apelos do produto (“Ei, mommy, isto vai bem pra você pois não vai contaminar seu bebê”), mas não precisava tanto destaque. Parece uma exclusividade. Eu também gosto de ficar hidratada, procuro produtos orgânicos e não carrego outro ser dentro de mim. Enfim, essas coisas de marketing.

De onde veio o produto: Calma recebeu um frasco de cortesia do marketing da Souvie.

O CALMA também está no Facebook.

More from Letícia González Read More