Como são as mulheres com peso igual seu? Este site mostra

[foto: Gabriela Camerotti/CC]
Uma página que cataloga nossas medidas corporais. E por que isso é bom

O site diz: “Uma destas mulheres pesa aproximadamente 50kg” e pede que eu adivinhe qual. Escolho entre uma seleção de fotos caseiras, sem filtros, de mulheres com mais ou menos roupa. E passo para a próxima. Novos corpos, o mesmo desafio. Depois de três rodadas, os resultados chegam. Errei quase tudo. Tenho jogado bastante e, mesmo assim, nunca fiz mais de um acerto por jogo. Às vezes confundo mulheres de 60kg como se pesassem 50kg. Mas, com maior frequência, incluo garotas de 44kg nessa categoria. Talvez elas sejam baixinhas e, por isso, mais leves, penso. Talvez tenham se enganado ao enviar as fotos — afinal, o site, ainda que use critérios rígidos, não está lá para pesar todo mundo. Ou talvez, apenas talvez, eu não conheça a minha própria faixa de peso.

São erros honestos, como imagino que sejam os da maioria que visita a My Body Gallery, página criada em 2010 pela fotógrafa americana Odessa Cozzolino para questionar autoimagem feminina em tempos de Photoshop. O quiz é só uma parte do projeto. O principal são as galerias de fotos, que desfilam mulheres reais com o mesmo peso, a mesma altura, o mesmo número de calça. 

O resultado de um dos jogos. “Estas mulheres pesam aproximadamente 52 kg”, diz a explicação acima. “Estas, não”, informa a de baixo

As imagens são enviadas por colaboradoras anônimas. São mais de 30 mil selfies recebidas, analisadas, aprovadas e catalogadas ao longo de sete anos. Elas exemplificam o que é ser uma mulher que veste 38, 42, ou qualquer outro número. Você escolhe, o site mostra. E, a cada nova galeria, a diversidade vai dando as caras. O resultado da brincadeira é bem simples: ela cria repertório.

Ele é importante porque, se você não é médica nem frequenta banhos comunitários, vê bem poucos corpos. Na maioria das vezes, só dois. O seu, refletido no espelho, e o da mídia, que não varia muito1. Então, é claro que é sobre aceitação. Não à toa o site tem depoimentos de mulheres que sofrem de anorexia. Quanto mais elas veem outros corpos, mais sua percepção evolui, afirmam. 

AVE, NEUTRALIDADE

E para quem não tem transtornos graves, o que há? A realidade pura. E a evidência de que, na maioria das vezes, nos guiamos por números mais temidos do que compreendidos. Cinco quilos são o quê? “Algo a se perder”, segundo o que nas últimas décadas foi empacotado como informação direcionada a mulheres. Isso não é neutro. É por isso que devolver a formas e números a liberdade de serem apenas formas e números resulta tão aliviante.

Conversei com a diretora criativa Anna Friedman, na plataforma desde 2014, sobre a experiência de lidar com o mar de informação que chega ao My Body Gallery. Eis o que ela me disse: “Trabalhar no site por três anos me permitiu ver que eu tinha muitos preconceitos e alguns pontos de dismorfia corporal2. Eles passavam despercebidos, até eu ser confrontada direta e diariamente com um fluxo constante de imagens de corpos sem alterações”. 

É como se todas as mulheres que têm vergonha de tirar a roupa na frente das outras de repente perdessem o pudor. E pudéssemos olhar para elas. E para si.

O CALMA também está no Facebook.

[Fotos: Gabriela Camerotti/CC; Reprodução/My Body Gallery]