No poo: um ano e meio depois

[Foto: Bruna Sanches]
Como parei de usar xampu sem virar uma hippie suja*

Por que alguém abandona o xampu? Mais fácil entender largar o cigarro, o bacon, um carro que consome muita gasolina. Mas xampu? A primeira vez que li sobre a prática do no poo ela me pareceu o retrato do exagero, mais uma moda de gente com vocação para panfleto humano. Um convite para salvar o mundo com sacrifício pessoal que não faz cócegas no dano ambiental causado por grandes fábricas, essa foi a primeira impressão. Mas testei e mudei de ideia. Eis por quê.

As motivações das noo pooers, composta quase toda por mulheres, são três. 1) Renegar os ingredientes nocivos da indústria cosmética, como derivados de petróleo e parabenos, seguindo a ideia de que menos produtos tóxicos resultam em menos doenças e maior preservação da Terra. A mesma linha de raciocínio da comida com vegetais orgânicos, portanto. 2) Economizar dinheiro. 3) Melhorar a textura do cabelos. Eu assinava embaixo de todas e achei uma promessa extra escondida, a da simplicidade. Se desse certo, trocaria uma vida intercalando marcas de xampu porque o cabelo “acostumou” por uma rotina com dois ingredientes.

De teste, fiz uma lavagem única com bicarbonato de sódio e vinagre, sem compromisso e sem jogar meus xampus fora. O cabelo ficou solto, macio e brilhante. E limpo por três dias seguidos, coisa que havia muito não ocorria. 

Então em agosto de 2015 decidi fazer a transição. Elas chamam assim porque, depois de anos acumulando derivados de petróleo, o couro cabeludo não consegue mais regular o sebo da região e precisa passar por um processo, às vezes difícil, para retomar essa função. Canta o coro das noo pooers: os xampus, pré-xampus e antirresíduos limpam ao agredir e ressecar. Em seguida, os condicionadores, cremes de tratamento e leave-ins amaciam depositando silicones pesados e difíceis de limpar. É um ciclo de morde-e-assopra renovado a cada banho.

Receita DIY: o melhor xampu seco do mundo

Os dois primeiros meses foram estranhos, mas depois de quatro eu já estava bem contente. Escrevi sobre a mudança para a Marie Claire e conversei com dezenas de mulheres que também estavam nela ou queriam começá-la. Testei umas quantas receitas, mas hoje faz um ano e meio que uso bicarbonato de sódio e vinagre de maçã no lugar de xampu e condicionador.

COMO LAVO

Com bicarbonato de sódio, uma vez a cada cinco dias. Só. Não uso nenhum outro produto (nem xampu) no intervalo. Faço assim:

1. Diluo 1 colher de sopa bicarbonato em uma jarrinha de 200 ml d’água.
2. Com o cabelo já bem molhado, derramo a mistura aos poucos sobre a cabeça. É uma água rala, por isso viro bem a cabeça para molhar a lateral antes que escorra.
3. Massageio o couro cabeludo como se estivesse lavando com xampu. A diferença é que não faz espuma alguma. Deixo 2 ou 3 minutinhos. Não esfrego no comprimento.
4. Enxáguo bem. Mas bem mesmo. Se o bicarbonato fica no couro, quando seca, o cabelo fica opaco e o pó parece uma caspinha.

COMO CONDICIONO

5. Diluo 2 colheres de sopa de vinagre de maçã na mesma jarrinha de 200 ml dágua.
6. Apoio o cabelo na palma de uma mão e, com a outra, vou derramando a mistura. Passo só da metade para baixo, longe da raiz. Deixo 1 minutinho.
7. Enxáguo. Quando tenho coragem, esfrio a água. Bem pouco. Quase nunca tenho coragem.

COMO FINALIZO

Às vezes, com um Morocan Oil que sobrou de antes da transição. Gosto de deixar secar no sol, raramente uso secador. Quando as raízes ficam oleosas, uso o xampu seco que abrasileirei. Ó a receita aqui.

COMO HIDRATO

Gostaria de dizer “com óleo de coco quente”, mas só fiz isso uma vez. A verdade é que não hidrato.

O QUE APRENDI

– Escovar todos os dias faz uma diferença tremenda
Foi difícil mas necessário inverter o raciocínio “quanto menos mexe, menos suja”. Escovar todo dia distribui o sebo e ajuda na limpeza. Não é bom só para hidratar as pontas. É bom pra raiz, que se livra do acúmulo de gordura.

– Limpar a escova também
Uso uma escovinha de unha e, às vezes, a própria unha para tirar fios e poeira. Só não compro a paranoia “24 horas de molho com água sanitária” que tanta gente ensina na internet. Qualquer rastro de gordura sai com água quente.

– Xampu não é recaída
Nem bicarbonato é promessa, seita ou algo para você se sentir melhor do que os outros. Já usei xampu da amiga e da cabeleireira depois da transição. Serviu para comparar: o cabelo “dura” menos com xampu. Também comprei um frasco com uma fórmula leve para ter em casa — é que uma vez a cada tanto (dois meses? três?) me dá saudade da espuma.

– Coisas estranhas acontecem
A gente cresce aprendendo a programar as lavagens. Olha no espelho e diz: “dura até amanhã”. Com o no poo complica. Acontece de escovar o cabelo antes de dormir e amanhecer com ele mais limpo, às vezes. 

– O intervalo é DIY
E para isso, precisa usar poder de observação, dia a dia. Na semana antes da menstruação, minha pele fica carregada. Meu cabelo também. Aí, abrevio o intervalo. Na praia, lavar muitas vezes é sinômino de água doce, e só.

_______________________________________

*Todo apoio ao estilo de vida hippie sujo, que não abracei.

O CALMA também está no Facebook.

More from Letícia González Read More